Cão, gato, peixe ou tartaruga?

O Minorkisses Convida tem hoje o prazer de receber a Veterinária Dr.ª Joana Prata do blog O Meu Animal. Para quem não conhece, é favor ir lá dar uma volta. Aposto que será referência sobretudo para quem tem animais.

A doutora esteve presente no Dia dos Bigodes, dia 8 de julho do presente ano, no Parque Aquilino Ribeiro, em Viseu. Fez check-ups, conversou com donos de bigodes, deu dicas e respondeu a dúvidas. Foi, portanto, uma excelente presença neste evento! Aproveito para agradecer a prontidão com que respondeu ao pedido de colaboração e mesmo vinda de Aveiro, a vontade de ali estar era contagiante! Obrigada!

Hoje a Joana traz-nos mais uns conselhos bem importantes e alguns alertas a ter em conta antes de adotar um animal. Queres adotar um cão ou um gato? Lê primeiro e depois decide em consciência!

 

Adotar um cão ou um gato

Adotar um cão ou um gato? O que devemos pensar antes de o fazer?

Adotar um cão ou gato vai muito mais além do querer – é necessário reunir todas as condições para os ter. Deverá pensar se tem dinheiro para providenciar o que o animal precisa, incluindo os cuidados necessários em caso de acidente.

Rações, acessórios, brinquedos, vacinações, registo na junta são despesas que deverá considerar antes da adoção.

Deverá saber se toda a família concorda com a adoção, se ninguém é alérgico e a situação económica e familiar é estável.

Também não devemos esquecer de repensar a disponibilidade diária de tempo. Para suprir as necessidades dos animais necessitamos de dedicar pelo menos uma hora diariamente, só para os mantermos felizes e saudáveis.

Adotar um cão ou um gato

Os cães precisam de ser passeados com regularidade, para fazerem exercício e fazerem as necessidades. Terá que estar disposto a dedicar períodos ao longo do dia para o fazer, mesmo em dias de temporal. Os gatos precisam de brincar com o dono pelo menos durante 30 minutos por dia.

A estas atividades acrescem a limpeza das taças de comida e água, da caixa de areia, da caminha, desparasitações, visitas à clínica veterinária, banhos, cortes de unhas e pelo, etc.

Se passa pouco tempo em casa ou viaja muito, o animal passará muito tempo sozinho e poderá desenvolver problemas comportamentais como a ansiedade de separação. Neste caso deverá pensar não adotar ou escolher um animal de cuidado mais simples, como um peixe ou tartaruga.

Escolher um animal de raça

Se vai escolher um animal de raça deverá certificar-se que o criador respeita os animais e os reproduz de forma ética. Algumas raças têm propensão a certas doenças e logo acarretam um custo mais elevado de cuidados veterinários.

Este é o caso dos cães de focinho achatado que nascem com problemas respiratórios e de pele devido à pressão seletiva da raça. Nesse caso deverá certificar-se que tem os fundos necessários à intervenção cirúrgica que será necessária para garantir o bem-estar do animal.

Um animal não é uma prenda

Repense o motivo que o leva a adotar um animal. Não adote por causas egoístas, como por modas ou porque apenas quer muito. Pense que o cão ou gato que leva para casa são um animais sensíveis, passíveis de emoções, que merecem todo o seu esforço e dedicação.

Adotar um animal não é uma decisão de momento nem uma prenda que se dá a um familiar ou amigo. É uma decisão ponderada que irá implicar dedicação da família. Com mais adoções responsáveis e bem pensadas poderemos combater o abandono animal.

Comments

  1. Sara Canhoto

    Ai quem me dera ter um mega terreno, mega dinheiro e fazer um santuário…. Entretanto orgulho-me de ter sempre adotado os meus animais de estimação até serem velhinhos 🙂

    Ótimo post para informar a importância de certos cuidados e certas reflexões.

    You rock!

    Beijinhos*

    1. Post
      Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.