Quem Se Atreve A Escrever A Vida A Caneta?

Escrever A Vida A Lápis

Cada vez mais há quem viva a Escrever A Vida A Lápis. E, em parte, compreendo. Eu própria gostava de ter escrito a lápis muitas das minhas decisões. Quem não? Há decisões que tomamos a caneta e para apagar é um caso sério! Podemos sempre tentar apagar com as melhores ou mais antigas borrachas (a tal parte azul), mas como todos sabemos, vamos apenas rasgar o papel. Ou então, com muita calma, não rasgamos o papel, mas é sempre percetível a “nódoa” que fica para todo o sempre.

Dependendo da nódoa, podemos viver sem que ela nos incomode muito. O problema maior acontece quando a nódoa é significativa, bem visível ou até se fez um buraquinho no papel. Nesse caso o nosso “destino” começa ali. Podemos escrever a caneta a vida toda. Se tivermos que apagar alguma decisão e apagarmos mal por acidente (ou porque fomos obrigados a apagar mal), uma má apagadela só, é o bastante para ficarmos com limitações nas nossas vidas.


Escrever A Vida A Lápis Pode Ser Vantajoso?

Pode! Claro que sim! Nas decisões tomadas sem muita consciência do que se está a fazer. Levados a acreditar (às vezes por nós mesmos, sim temos essa capacidade) que aquele é o rumo certo da vida. E se é certo, vamos escrever a caneta! Garanto-vos é uma coisa, se se vier a revelar errado, há toda uma aprendizagem dolorosa a fazer! Afinal o problema nem foi da caneta, mas das nossas próprias decisões. A caneta é apenas uma tentativa de autoabsolvição para o erro (ou erros) cometido. Quem se deve penitenciar somos nós mesmos, os que tomámos péssimas decisões, independentemente das atenuantes.  Mas é bem mais fácil arranjar um bode expiatório. E se nunca errarmos, nunca aprenderemos a tomar melhores decisões. E a vida, é para ser vivida. Aprender, vivenciar, tornar-nos mais fortes. Sabermos viver.

Portanto, Escrever A Vida A Lápis pode ser vantajoso, sobretudo quando não queremos lidar com as consequências das nossas más decisões.


Escrever A Vida A Lápis, Sempre

De facto, é mais fácil Escrever A Vida A Lápis. Lamento é informar-vos que Escrever A Vida A Lápis é seguramente das coisas mais monótonas que existe. Mais, é revelador de uma falta de coragem e de gosto pela vida. É ainda sinal de comodismo (como já falei no artigo Zona De Conforto) e dependência do facilitismo.

Escrever A Vida A Lápis é como quando vamos de férias. Levamos os nossos objetos pessoais e quase nem os tiramos da mala. Só em necessidade de determinada coisa. Não mudamos o que até, se estivéssemos em casa, mudaríamos. Porque é temporário! E por ser temporário tudo serve. Mas em casa, no nosso lar, gostamos de ter tudo à nossa maneira. Ter os locais certos para cada coisa e não ter tudo dentro de malas de viagem. Escrever A Vida A Lápis é sinal de não se importar muito com a vida. Não pensar em ser mais e melhor, não ter interesse por conhecer outros mundos, outras maneiras de fazer a mesma coisa. De evoluir enquanto pessoa.


Quem Se Atreve A Escrever A Vida A Caneta?

Eu. Eu atrevo-me. Todos vocês sabem que me atrevo e às vezes até me estico! Não estou neste mundo para não experienciar o que a vida tem para me oferecer. Mesmo que as experiências possam a vir a ser dolorosas, vou com tudo e com toda a força para o desconhecido. Adoro a vida, uns dias mais do que outros. Mas não me vejo a Escrever A Vida A Lápis. Para mim isso seria viver por metade e eu não sou de metades, sou inteira. Se tiver que cair, caio (e se caio!!). Terei o meu tempo para absorver e sofrer da queda. A seguir levanto-me mais forte, mais capaz e mais consciente do erro cometido. Se isso não é aprendizagem o que será…

Se só Escrevesse A Vida A Lápis o que teria eu aprendido ao longo da vida? Onde teria coragem para abraçar oportunidades que fizeram de mim quem sou? Que experiências tinha para recordar? Amigos para ter saudades, histórias para contar? O que era eu?

Eu escrevo a minha vida a caneta e vivo intensamente, sempre com sede de novas experiências. Venham elas que estou pronta.

Gettyimages

Comments

  1. Post
    Author
  2. Andreia Morais

    Adorei a analogia!
    Escrever a vida a caneta permite-nos ter consciência das nossas decisões, dos nossos erros, das nossas quedas, dos momentos de fraqueza e daqueles em que a coragem é o nosso motor. No fundo, como não podemos apagar, permite-nos revistar tudo o que fizemos. E isso é ótimo, não só para percebermos onde falhamos, mas também para nunca nos esquecermos das nossas conquistas.
    Precisamos de arriscar. Porque esta vida só vivemos uma vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.