Uma doença invisível

Sejam bem-vindos a mais um Minorkisses Convida – Guest Post. Desta vez a convidada é uma linda menina, que, apesar de alguns desafios da vida, conseguiu contornar as questões de uma forma digna de admiração! Falo-vos da blogger Sara Canhoto do blog Healthy Food & Me. Saibam mais por palavras dela.


Fibromialgia – Uma doença invisível

Olá, sou a Sara Canhoto, tenho 23 anos e criei o blog Healthy Food & Me há um ano. Ah, falta uma coisa: também tenho Fibromialgia.

Fui convidada para fazer um guest post, mas decidi que este tema dava para dois! 😊

Queria esclarecer que este post não é para se ter pena de quem possui esta doença, apenas respeito! Todos nós temos problemas, são é apenas diferentes.

Para começar, a Fibromialgia é uma doença crónica e invisível. É caracterizada principalmente por dor, que aparece do nada, num sítio do corpo que lhe apeteça. No entanto, existem pontos de dor característicos desta doença. A dor pode ser caracterizada como ardor, pontadas e espasmos musculares. Normalmente esta doença aparece após um grande momento de stress na vida de uma pessoa ou de um momento com grande impacto, como a morte de alguém próximo.

Pontos de dor fibromialgia
Figura retirada de: https://www.harmonyclinicadador.com.br/o-que-e-fibriomialgia/

Outro grande sintoma é a constante fadiga. Sim, vamos dormir cansados e conseguimos acordar ainda mais! Existem outros sintomas como sensibilidade na pele, sensibilidade à luz, alterações de humor e perturbações do sono. Cada pessoa tem o seu conjunto de sintomas, mas a fadiga, a dor e a perturbação do sono são os principais.

fibromialgia-sintomas
               Figura retirada de: http://www.hong.com.br/descanse-para-aliviar-as-dores-da-fibromialgia/

Agora vem a parte do que é a Fibromialgia na prática: para além de andar sempre de rastos, estava constantemente a lesionar-me. Cheguei a conseguir fazer microrroturas musculares a dormir (Como, não é? Também não sei). Deixei de conseguir fazer exercício físico, de conduzir, de sacudir tapetes, abrir uma garrafa de água…, etc.

Esta doença não mata, mas atrasa-nos e torna-nos incapazes de fazer as coisas mais básicas do dia-a-dia.

 

Lesão no braço Fibromialgia
   Lesão no braço por ter carregado um livro que precisava de estudar para um exame da faculdade.

O que há mais para piorar? Fácil – a Sociedade.

Agora vamos pensar: uma pessoa está constantemente com dores, com falta de força, tem noites mal dormidas acumuladas, como é que vai bater bem da cabeça? É muito difícil não se entrar em depressão quando estamos perante este tipo de doenças, pois faz-nos sentir menos que os outros, que somos uns coitados e que não servimos para nada. Mas o problema não fica só por aqui.

Vocês perguntam, então o que há mais para piorar? Fácil – a Sociedade. A nossa sociedade, infelizmente, julga, goza, desrespeita e é extremamente ignorante. Nós, doentes da nossa amiga Fibromialgia, somos vistos como preguiçosos, carentes de atenção e, o melhor de tudo, maricas.

Já senti bastante na pele este tipo de descriminação, até mesmo dentro da minha própria família, pois não acreditava que realmente se passava algo. E atenção, não os culpo. A doença, tal como disse, é invisível. É impossível ver onde te dói, se estás num dia mau ou não, se dormiste (porque a nossa cara não tem propriamente bons dias ahaha), etc. A questão é que muitas vezes não perguntam: precisas de ajuda? Queres descansar? Deixa que eu levo-te isso – o tal chamado Respeito.

Nós não pedimos pena, apenas respeito.

Agora vem outra parte difícil de lidar nesta doença – o diagnóstico. Pois é, infelizmente, esta doença só é descoberta se não der outras doenças nas análises, ou seja, se os (milhentos) valores que eles analisam nas análises estiverem todos ok, e se dos 18 pontos de dor, 12 doerem ao toque (primeira figura), então sim, tens Fibromialgia. Este diagnóstico pode demorar anos e pode não ser levado a sério. Muitos médicos “encharcam” os pacientes de medicamentos, que para além de fazer mal ao organismo, muitas vezes nem as dores tiram; outros, como no meu caso, disseram para eu ter apoio psicológico e para fazer exercício físico. Pergunta rápida: se me magoo a dormir, como vou fazer exercício físico?

Prometo que o próximo post é mais alegre e que tem um final feliz! Até para semana, beijinho :*

Se gostaram e quiserem saber mais:

Facebook: https://www.facebook.com/healthyfoodandme/notifications/

Blog: https://healthyfoodandme.wordpress.com/

Instagram: https://www.instagram.com/sarapcanhoto/?hl=pt

 

Comments

  1. Pingback: Fibromialgia A Cura Que Muitos Não Conhecem/Acreditam

  2. Daniela Santos

    Já falei com uma colega da minha mãe que tem o mesmo problema e falhei-lhe de como a sara melhorou significativamente a sua vida, mas sinceramente, burro velho não aprende línguas novas -.-
    O texto está bastante informativo, eu não sabia metade das coisas que descreveu. Os meus parabéns por falar sobre isto 🙂

    Beijinhos

    1. Post
      Author
      Minorka

      Fazer sacrifícios ou mudar rotinas (que para tanta gente é sacrifício) não é para todos. Melhor e mais simples é tomar medicação e a vida não tem de mudar.
      A Sara faz aqui um esclarecimento fantástico sobre Fibromialgia, está mesmo de parabéns!

  3. Andreia Morais

    Gostava que as pessoas fossem tão rápidas a ajudar como são a julgar! Infelizmente, ainda há muito preconceito em relação a doenças que não são tão visíveis ao olhar de terceiros. Infelizmente, não há esse cuidado, esse respeito de se procurar saber se a pessoa precisa de alguma coisa. Parte-se logo para o princípio de que está a dramatizar, de que não é nada, que aquilo passa com um estalar. E quando não passa?
    Não imagino as privações que a Sara tenha sofrido, não só pela doença em si, mas também por causa desta sociedade mesquinha que insiste em continuar.
    Adorei ler o testemunho dela, acho que pode ajudar a quebrar barreiras!

    1. Post
      Author
      Minorka

      Muito preconceito mesmo Andreia!
      Não percebo esta sociedade tão evoluída em tantas coisas, temos oportunidades e bem estar como nunca e cada vez hã mais ignorância quanto à diferença. Ganharam-se “coisas” perderam-se valores e tolerância… Isso é não é evolução, é regressão.
      O testemunho da Sara é fabuloso! Concordo contigo, pode ajudar a quebrar barreiras, sem dúvida!

    1. Post
      Author
      Minorka

      Acredita que nem novos nem menos novos. São sempre preguiçosos e não aguentam umas dorzitas… A inveja, oh perdão, a ignorância é muito grande.
      Beijinhos!

    1. Post
      Author
  4. Ana Ribeiro

    Lido de perto com esta doença, a minha mãe padece da mesma há alguns anos.

    Não faz uma dieta tão restritiva como a Sara, nem nunca teve lesões. Mas tem dores diárias.

    Os primeiros sintomas surgiram durante umas férias de Verão.

    Excelente post!

    Beijinhos!

    1. Post
      Author
      Minorka

      E depois de aparecerem não vão mais embora… Ainda assim, as melhoras para a tua mãe.
      A Sara explicou muito bem as consequências físicas, emocionais e sociais da doença.
      Obrigada Ana! Beijinhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *