Ser Inconveniente é um talento nato, a prova de que há inteligência num mundo que nos tenta formatar

Ser Inconveniente nos dias de hoje é um ato de coragem e a prova viva de que estamos perante alguém que é livre.

Numa sociedade padronizada, todos os que não vivem debaixo das regras são tidos como “selvagens”, desadequados e inconvenientes! E que orgulho nestas pessoas que insistem em ser elas próprias! Se ser inconveniente não é um elogio, não sei nada da vida!


Ser Inconveniente é criar a sua própria regra de felicidade

Ser inconveniente na sociedade é questionar, criticar, ter opinião própria, não pertencer a um sistema (dito) perfeito. Ser inconveniente é recusar-se a fazer de conta que pertence a uma sociedade enquanto se morre de descontentamento no seu interior. É criar a sua própria regra de felicidade. É ser ovelha negra e vitima de preconceito. Sou eu, a Minorka que estou longe de ser a menina politicamente correta (não é novidade para vós, mas convém sempre lembrar).


Somente respeitar o que o coração lhe dita, sem regras, sem restrições

Na sociedade doente e pobre de valores em que vivemos, todos os que pensam fora dos modelos pré-fabricados, são inconvenientes. Conclui-se, portanto, que quem pensa fora “da caixa” é saudável! Ser inconveniente é procurar saber e interpretar tudo de acordo com as nossas formas livres de pensar. Pessoas que investem no auto-conhecimento e não se incomodam de remar contra a maré. Aliás, nem dão importância ao mar quanto mais à maré! Gente que sente, que decifra o que vai acontecendo na sociedade e dentro de si mesmos. Ser inconveniente é saber o que vos apetece e somente respeitar o que o coração lhe dita, sem regras, sem restrições.


Uma sociedade que transforma as vidas em linhas de produção

Saber que há sempre instabilidade e situações incontroláveis, mas viver a vida intensamente, repletas de emoções boas e más. É ter dúvidas, analisar os seus pensamentos, conceitos e preconceitos. E sair do pragmatismo de uma sociedade que transforma as vidas em linhas de produção.

Fazer de conta que se vive em felicidade, num cenário doentio é ter uma capacidade de dramatizar fora do normal. É ser infeliz a dobrar. É não assumir o que lhe diz a alma, não aceitar quem a pessoa é de facto, é a fraqueza disfarçada.


Gente capaz de mergulhar, arriscar, sentir, pensar e viver.

Tenho algumas dificuldades em perceber o porquê das pessoas se quererem integrar num modelo-tipo e ali viverem como marionetas desta sociedade decadente. É tão visível a sua felicidade aparente! Conseguem deixar perceber tão facilmente a sua infelicidade e frustração interior! E assim se mantêm, para poderem continuar a fazer parte de um grupo de pessoas que lhes dá prestigio, ou a ideia de riqueza, de solidariedade, de religiosidade… há grupos para tudo! E felizmente há também aqueles grupos que parecem não se integrar em lado nenhum: os meus preferidos! Gente capaz de mergulhar, arriscar, sentir, pensar e viver.

Ser inconveniente é um talento nato, a prova de que há inteligência num mundo que nos tenta formatar.

linha de produção

Comments

  1. Pingback: Contos De Fada Com Finais Felizes - Ou Pai Natal! Ainda existirão?

  2. Pingback: Normalidade de comportamentos, estatutos e vivências.

    1. Post
      Author
    1. Post
      Author
      Minorka

      Olá A Tio Patinhas! Obrigada pelo comentário e mais uma vez fico feliz por saber que não sou a única que não me enquadro em padrões impostos pela sociedade!
      Volta sempre!

    1. Post
      Author
      Minorka

      Olá André e bem vindo ao mundo Minorkisses!
      Grata pela tua mensagem e por me dares a saber que não sou a única e inconveniente neste mundo!
      Volta sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.